Você conhece o bolero?
Você conhece o bolero?

Música quente e envolvente que quando você escuta toca lá no coração. Com ritmo sensual, os dançarinos inspiram quem os assistem a querer dançar também. O bolero, mesmo sendo tão popular, não tem sua origem muito clara. Alguns acreditam que…

Continuar lendo
Para além das Américas: as Filipinas também falam espanhol
Para além das Américas: as Filipinas também falam espanhol

Quando pensamos em “países que falam espanhol” logo vem à mente a própria Espanha e os países da América Latina. Porém, durante o período colonial, a Espanha estendeu seu domínio até o amontoado de ilhas do sudeste asiático. Nas Filipinas,…

Continuar lendo
Os tambores do Candombe uruguaio
Os tambores do Candombe uruguaio

Toda cultura dos países latino americanos possuem alta carga de influência da cultura africana trazida, forçosamente, através dos escravos durante o período colonial. No Uruguai, o Candombe, dança que se embala ao som dos atabaques, é um exemplo rico desta…

Continuar lendo
Sardana – a dança da Cataluña

Você se engana quando pensa que esta dança é fácil e descomplicada. A Sardana, dança típica e símbolo da cultura da Cataluña, possui passos simples de certo modo, mas que pela precisão necessária para uma boa execução, a torna um…

Continuar lendo
Joropo: o ritmo e a dança típica da Venezuela

O Joropo nasceu da mescla cultural de nativos, europeus e africanos. Toda esta mistura criou a que é hoje a dança típica da Venezuela e também praticada em parte da Colômbia. Apesar de em alguns elementos parecerem ser similares ao…

Continuar lendo
Dance a cueca chilena

Com um pano na mão direita, os bailarinos vão o girando e fazendo floreios, sempre olhando nos olhos um do outro. É uma dança graciosa que não necessita grande habilidade para dançá-la, somente sentir a música e respeitar algumas regras de sua essência.

Continuar lendo
Os fogos do Correfoc e seus demônios

A Europa foi palco do nascimento da civilização moderna como conhecemos. Nela surgiu diversas crenças, culturas e modos de celebrar a passagem do tempo, das estações e da economia, por consequência. Daí se criou tantas figuras demoníacas ou meio-humanas como…

Continuar lendo